O Ministério Público Federal instaurou inquérito civil para analisar a invasão de terras e expulsão


O procurador Saulo Linhares da Rocha considerou para a abertura das investigações a representação noticiando invasões de terras, destruição de residências e cercas dos moradores nativos, trabalhadores da palha de carnaúba e pescadores artesanais.



No documento, o procurador aponta ser o Ministério Público uma instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, encarregada da defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis.


Continua depois da publicidade


De acordo com a portaria n° 01, de 19 de janeiro de 2022, é necessário o aprofundamento da investigação. (Por: Gil Sobreira | GP1)


Publicado por Chamada Geral Parnaíbaem 2 de fevereiro de 2022em Cidades