Luìs Correia no Combate da violência sexual contra crianças e adolescentes

Maio laranja é o mês de enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes em todo território brasileiro.




Dia 18 de maio é a data escolhida para o enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes, mas durante doto o mês de maio a campanha continua, nossa luta contra essa pratica de violência precisa permanecer no ano todo. Mesmo assim os números de casos só vem aumentando, isso se deve porque a maioria dos casos acontecerem no ambiente intrafamiliar ou seja dentro da família, justamente o ambiente que deveria ser seguro e acolhedor, levando em consideração o isolamento social causado pela pandemia, obriga as vítimas a conviver mais tempo com os abusadores dentro de casa. Por acontecer majoritariamente dentro do lar e o abusador ser quase sempre um membro da família, torna - se fácil o acesso a vítima. O abusador costuma agir em silêncio, conseguindo manipular os demais para praticar e manter o abuso em segredo, através de ameaças e mentiras. Toda essa condição citada acima torna difícil o acesso da justiça aos casos.



Outro ambiente importante de se ressaltar nesse caso é o da Escola, uma vez que a maioria dos casos acontecem dentro de casa a escola pode servir de refúgio para as vítimas, por diminuir o tempo de convivência com o abusador. Professores e amigos também tem um papel importante: podem ajudar no sentido de identificar e encorajar a criança a expor o caso e assim quebrar o silêncio, levando o caso ao conhecimento da Justiça. Sem o recurso do ambiente escolar a criança fica presa ao abusador, o que pode agravar ainda mais o caso, trazendo sentimentos de medo, culpa, vergonha entre outros. Sendo assim identificamos que o isolamento social aumentou a vulnerabilidade dessas crianças com relação a esse crime. Contudo podemos utilizar ainda algumas ferramentas para se sobressair dessa condição de anonimato e falta de denuncia mas, para isso precisamos de conhecimento sobre esse tipo de violência. Então irei passar algumas informações sobre os possíveis sinais de que uma criança pode estar vivenciando o abuso ou exploração sexual. Alguns sinais que podem ajudar a reconhecer são:

* Denúncia: sim, a própria denuncia espontânea da criança é um sinal, apesar de parecer suficiente, costuma ser desconsiderado, minimizado e desacreditado por quem os recebe, comumente por pessoas da família e agentes públicos.

* Medo: principalmente do abusador, levando a criança a evitar lugares onde ele pode estar e se recusar a ficar sozinho com ele, também pode deixar a vítima sobressaltada, mesmo com o menor estimulo ela se assusta de maneira exagerada. E ainda medo de ficar sozinha e do escuro.

* comportamento sexualizados : Sensualização, levam a criança a interagir com adultos de maneira sexualizada, ter conhecimentos de práticas sexuais inadequados para idade.

* Insônia e pesadelos constantes

* Depressão: isolamento social, tristeza, solidão e ideações suicidas

* Distúrbios alimentares: anorexia e bulimia

* Mudança brusca nas interações sociais: A criança pode se tornar mais agressiva ou mais retraída

* Baixo rendimento escolar: dificuldades em manter a atenção e concentração

Entre outros sinais, lembrando que ainda assim não é possível concluir que umas criança ou adolescente está sendo abusado. É preciso uma equipe multiprofissional para avaliar e chegar a uma conclusão. Contudo a denúncia não precisa estar pautada na certeza, se você tiver dúvidas ou desconfiar, pode e deve denunciar. É o dever de todos garantir a segurança e o bem estar das crianças e adolescentes.

A Prefeitura Municipal de Luís Correia também está fazendo a parte dela, promovendo informações e colocando profissionais de qualidade para lidar com os possíveis casos.




Para denunciar : Disque 100, é um serviço de proteção de crianças e adolescentes com foco em violência sexual