Justiça vai julgar secretário de Trânsito de Parnaíba


Está conclusa para julgamento a ação penal em trâmite na Vara Única da Comarca de Luís Correia, que pede a condenação do secretário de Transportes e Trânsito do Município de Parnaíba, Maurício Pinheiro Machado Júnior, acusado pelo Ministério Público do Estado do Piauí de dirigir embriagado, sem habilitação e provocar acidente, após atravessar a via da mão da Avenida Antonieta Veloso para a contramão do fluxo atingindo uma senhora de 62 anos que estava sentada em uma cadeira no terraço. O acidente ocorreu por volta das 21h30min do dia 14 de julho de 2015.

Segundo depoimento de testemunhas, ao chegar ao local do acidente, a Policia Militar encontrou Mauricio Machado cochilando na direção do veículo e em visível estado de embriaguez, enquanto a senhora atingida pelo veículo aguardava atendimento médico em decorrência das lesões sofridas.

Nas alegações finais apresentadas no dia 16 de julho deste ano, o promotor Galeno Aristóteles Coelho de Sá entende existir provas suficientes para a condenação.

O promotor pede a condenação do secretário pela prática de lesão corporal, praticada na calçada, e por conduzir veículo automotor com capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool ou de outra substância psicoativa que determine dependência.

Prisão em flagrante

Maurício Machado Júnior foi preso, autuado em flagrante e conduzido a Polícia Rodoviária Federal, onde se recusou a fazer o teste de alcoolemia, sendo então lavrado auto de constatação de sinais de alteração da capacidade psicomotora.

Consta no documento que o mesmo aparentava sonolência, olhos vermelhos, desordem nas vestes, hálito alcoólico, exaltação, falante, lapso de memória quanto aos fatos, dificuldade no equilíbrio e fala alterada.

Maurício Machado Júnior não apresentou às autoridades sua CNH (Carteira Nacional de Habilitação) ou mesmo afirmou possuí-la.

Secretário pagou fiança de R$ 7.880,00 para ser solto

O delegado plantonista da Central de Flagrantes de Parnaíba, Rodrigo Mello Marinho lavrou o flagrante e arbitrou a fiança em R$ 7.880,00 (sete mil e oitocentos e oitenta reais). O valor foi pago no dia 15 de julho e ato em contínuo foi expedido o alvará de soltura.