Em Parnaíba: Polícia Militar prende apenado pelos crimes de tentativa de estupro e roubo

Agentes da Diretoria de Inteligência da Polícia Militar (DIPM) efetuaram a prisão de Francisco Wanderson da Silva Rodrigues, de 22 anos



Agentes da Diretoria de Inteligência da Polícia Militar (DIPM) efetuaram a prisão de Francisco Wanderson da Silva Rodrigues, de 22 anos, em cumprimento a um mandado de prisão decorrente de sentença condenatória pelos crimes de roubo e estupro, ambos na forma tentada. A ação ocorreu na manhã deste sábado (02/06), por volta das 09 horas, na localidade KM-12 em Parnaíba, litoral do Piauí.

Ao ser abordado pelos policiais em uma fazenda, Wanderson se apresentou com o nome de Rafael, no entanto, os militares já estavam munidos de informações sobre a sua verdadeira identidade, na qual, recebeu voz de prisão em cumprimento ao mandado judicial e na sequência conduzido à Central de Flagrantes de Parnaíba.


Francisco Wanderson foi sentenciado em primeira instancia a uma pena de 8 (oito) anos, 9 (nove) meses e 20 (vinte) dias de reclusão, em regime inicial fechado, e 38 (trinta e oito) dias-multa, mas teve o direito de recorrer da decisão em liberdade. Ele interpôs recurso de apelação junto a 1ª Câmara Especializada Criminal, que deu parcial provimento ao recurso, redimensionando a pena em definitivo para 6 (seis) anos, 10 (dez) meses e 7 (sete) dias de reclusão, em regime inicial semiaberto, e ao pagamento de 8 (oito) dias-multa.


Continua depois da publicidade.


O CRIME


Segundo a denúncia do Ministério Público, no dia 21 de outubro de 2017, por volta das 19h, o denunciado portando uma faca interceptou e tentou roubar e estuprar uma mulher que transitava de bicicleta em uma via de piçarra erma, sem iluminação e cercada de mato na altura da localidade Chafariz, bairro São Judas Tadeu.

A vítima relatou que o acusado lhe puxou pelo braço e a agarrou tentando lhe despir e levar para dentro da vegetação, bem como passou a mão nas suas partes intimas, que para se defender da investida, jogou a bicicleta contra o agressor que ao mesmo tempo ainda tentava subtrair a sua bolsa, mas que teve a ação frustrada ao visualizar o facho de luz de duas motocicletas que passavam pelo local, ocasião em que a vítima gritou por socorro e o tarado se evadiu.


VERSÃO DO ACUSADO


Dois pontos que prejudicaram a versão apresentada pelo acusado foi a de que em sede policial e em juízo, o vizinho dele declarou apenas que o investigado realmente trabalhava para o mesmo como ajudante de pedreiro, mas não mencionou nada sobre o fato de o denunciado estar em sua casa no momento do ocorrido. Outro motivo que fez a situação do investigado se agravar, foi o fato dele não ter comparecido em juízo, apesar de ter sido regularmente intimado, fazendo com que os juristas levassem em consideração apenas o que ele alegou na fase investigativa, que foi se limitar a negar a autoria delitiva.



Fonte: Blog do Coveiro;

TvLitoralPiaui.